20
Jan 09

 

 
 

Geografia A

Deste logo, segundo a constituição da terra, esta é constituída por camadas que tem o nome de núcleo, manto, crosta terrestre, as zonas de fissura e as zonas de contacto com as placas tectónicas.

O núcleo é a camada que fica mais próxima da superfície da terra.

Em relação as Placas Tectónicas, no oceano Pacifico e Indico estão situadas a zona de distribuição e por fim no oceano atlântico esta situada zona de Rift.

As unidades geomorfológicas do território português

No território português é possível distinguir-se três grandes unidades geomorfológicas, grandes áreas com a mesma origem e características semelhantes em termos geológicos, essas unidades geomorfológicas são o Maciço Antigo, as Orlas Sedimentares Oriental e Meridional, que podemos também dar o nome de orlas Mesocenozóicas e as Bacias de sedimentação do Tejo e do Sado.  

O maciço antigo é a unidade mais antiga e a que abrange uma maior área do território português, em relação as outras duas unidades geomorfológicas.

Esta unidade é constituída por rochas muito antigas e com maior dureza, temos como exemplo os granitos, os xistos, os calcários cristalinos e os quartzitos.

Também nesta zona localizam-se maior parte das jazidas de minerais metálicos e energéticos, como também as rochas ornamentais cristalinas.

O maciço antigo em termos morfológicos, encontra-se dividido pela cordilheira central, onde se encontram as serras de Estrela, Lousã Açor e Gardunha, que fazem de fronteira entre duas áreas com características diferentes.

 A norte predomina um relevo acidentado, com grandes elevações.

A sul é o inverso da situação em relação ao norte, verifica-se uma vasta peneplanicie Alenteja.

As Orlas Sedimentares ou mesocenozóicas são áreas antigas e deprimidas, onde se foi indo acumulando sedimentos provenientes do desgaste ocorrido no maciço antigo.

Nesta unidade geomorfológica predominam as rochas de tipo sedimentar, tais como arenitos, areias, as argilas e os calcários. As principais jazidas nesta unidade geomorfologica dizem respeito as rochas industriais.

As orla sedimentares, estende-se ao longo de uma fixa litoral, que vai desde Espinho até a Serra da Arrábida. Esta subunidade estrutural separa-se do maciço antigo por um acidente geológico complexo, que é chamada a falha de Coimbra.

A orla meridional ocupa a faixa litoral algarvia, nela predominam rochas de origem sedimentar tais como areias, arenitos, argilas, calcários, mármores, e sal-gema.    

As Bacias de Sedimentação do Tejo e do Sado são a unidade geomorfologica de formação recente e resulta de sedimentos marinhos e fluviais, em área deprimidas e de fundo oceânico, mas que acabam por emergir, dando origem às actuais planícies do Tejo e Sado. Nestas áreas predominam as rochas sedimentares, como asa areias, o cascalho, as argilas e o calcário.

A semelhança do que se passa nas orlas, existe um aproveitamento dos recursos minerais estão dirigidas para o sector das rochas industriais.

Nas regiões autónomas dos açores e da madeira a constituição geológica é de origem vulcânica, contribuindo para a reduzida diversidades d recursos minerais.

Nos Açores explora-se o basalto, pedra-pomes e argilas.

Na Madeira explora-se principalmente areis e basalto.

A INDUSTRIA EXTRATIVA

Portugal é um pais rico, no que diz parte á quantidade e diversidade de recursos minerais, nomeadamente de rochas industriais e ornamentais e de águas minerais e de nascente.

Apesar destes factores em cima referidos a indústria extractiva está pouco desenvolvida, tendo assim pouca importância para a economia do pais.

No ano de 2003 verificou-se um aumento contribuindo para a evolução positiva.

Este aumento ficou-se a dever-se pelo acréscimo da procura ocorrida nos subsectores dos minérios metálicos e das águas minerais e de nascente. 

Nos sectores das rochas industriais e ornamentais, que continuam a representar mais de metade do valor global, a conjuntura menos favorável no sector da construção civil tem originado alguma estagnação. Quanto aos minerais não metálicos o seu peso é praticamente residual.

Nos últimos anos, em particular a partir de 2002, tem havido uma tendência clara no sentido de o saldo do comércio externo do sector se aproxima de valores positivos, tendo sido a taxa de cobertura em 2005 de 101%. A indústria extractiva pode contribuir para a criação de riqueza e oferta de emprego nas áreas economicamente mais deprimidas.

As principais jazidas e áreas de exploração 

Em Portugal os minérios metálicos com maior importância são o cobre, estanho e tungsténio, estes que são explorados nas regiões do Centro e Alentejo.

O cobre é o recurso mineral com maior produção, sendo bastante utilizado nas indústrias eléctricas, uma vez que as suas propriedades fazem ele um bom condutor de corrente.

As maiores reservas de cobre estão localizadas na Europa.

As principais jazidas e cobre são de Aljustrel, cujas minas estão fechadas e as de Neves Corvo, que são as grandes responsáveis por fazerem do nosso país o maior produtor comunitário.

Também nas minas de Neves Corvo onde actualmente se obtêm maior parte da produção de estranho.

O ferro é um dos recursos minérios com elevada importância a nível mundial. Em Portugal existem razoáveis quantidades de ferro, localizando-se em Moncorvo, Marão e Cercal. Nos últimos anos a produção tem vindo a diminuir.

O volfrâmio também é mineral que se encontra em bastante abundância nos distritos de Castelo Branco, Guarda, Vila Real.

A totalidade da produção desses minerais é originária das minas da Pesqueira.

O ouro e a prata são minerais que já não são explorados, devido ao encerramento das minas de Jades, situadas em Vila Pouca de Aguiar.

No entanto, a actual escala de preços do ouro nos mercados internacionais pode voltar a abrirem essa minas.

 

Depois destes resumos tirei algumas conclusões, levando a mim levantar questões, como por exemplo porque que é importante para a economia portuguesa o contributo da industria extractiva?

Depois de termos lido todo em pormenor, podemos dizer que Portugal podia ganhar bastante com o contributo da indústria extractiva, pois podia fazer com a nossa economia melhora-se.

Com a abertura das minas, que estão a alguns anos fechadas, podiam contribuir para a formação de novos postos de emprego, fazendo assim com que a taxa de desemprego no nosso país diminui-se, pois este nos últimos anos tem vindo a aumentar drasticamente.

Portugal devia de aproveitar todos os recursos minérios que dispõem, contribuindo para a nossa economia.

 
 
 
publicado por patriciapati às 08:34

Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


arquivos
2009

2008

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO